sexta-feira, 8 de junho de 2012

Quanto pesa uma nuvem?

"Pai, como é que as nuvens se enchem de gotinhas?"
Técnica mista sobre MDF
por Paulo Galindro, em Junho de 2007

Quem me segue regularmente sabe que entre muitas outras coisas, sou imensamente fascinado por nuvens. Quando pinto um céu fico em pulgas para que as nuances de azul sequem e me permitam pintar espalhar alguns brancos. Porque um céu sem umas boas nuvens brancas e gordas não é a mesma coisa. O meu fascínio por elas é tão grande que são raras as ilustrações e os murais que já pintei que não as tenham. O nosso atelier cá em casa, por exemplo, é um imenso céu cyan salpicado com um monte de nuvens aqui e ali. É que ironicamente, estas coisas fofas, imensas e monumentais, a flutuar com a maior das levezas sobre a nossas cabeças distraídas dão uma certa humanidade ao céu, pois permite-nos ter pontos de referência, mesmo que de uma forma inconsciente. E quando temos pontos de referência até o infinito fica um pouco mais finito e aconchega-se aos nossos sentidos. Não sei se serei só eu a viver esta ironia, mas de facto sinto que as nuvens, mesmo as mais titânicas, me oferecem o céu numa bandeja. E por isso mesmo, desde que me lembro que sempre me perguntei "Quanto pesará uma nuvem?". Investiguei, escarafunchei, folheei, li, googlei, e nada... absolutamente nenhuma referência a esta questão. Pois bem, hoje, enquanto arrumava o quarto dos meus filhos, que mais parecia uma cidade feita de livros fustigada por um qualquer bombardeamento massivo (cada vez mais tenho a certeza que os livros cá de casa, tal como as tupperwares, têm uma vida sexual activa... procriam como se fossem porquinhos-da-índia) e dei de caras com um sugestivo título: "Mais respostas às perguntas que nunca te fizeste", escrito por Philippe Nessmann, ilustrado por Nathalie Choux e editado pela editora Faktoria de Livros. Nem sei como é que este livro apareceu cá em casa! Provavelmente por geração espontânea. Como sou curioso como um gato (e todos sabem o que acaba por acontecer ao gato), abri o livro e a primeira pergunta das tais que é suposto eu nunca ter feito, é exactamente esta:

"Quanto pesa uma nuvem?"... bingooooo!!!!!!

Ora aqui vai a tão almejada resposta:

"A massa de uma nuvem depende, como é óbvio, do seu tamanho. Comecemos por uma pequena: Capturamos um bocado de nuvem, metemo-lo num balde, e observamo-lo. Em princípio reparamos que é formado por centenas, inclusivamente milhares de finas gotinhas de água em suspensão. Juntando todas estas gotinhas obteríamos um dedal de água, que pesaria 2 ou 3 gramas. O resto é ar. Numa nuvem, o ar constitui portanto, o essencial da massa: o conteúdo da nossa nuvem de um metro cúbico pesa cerca de um quilo, quinhentas vezes mais que a massa de água! Deixemos agora a nossa pequena nuvem e dediquemo-nos a uma nuvem média de um quilómetro de comprimento por um de largura e um de altura: é constituída por mais de um milhão de toneladas de ar e cerca de 2000 ou 3000 toneladas de água. Como faz esta água para flutuar no ar? Graças ao princípio de Arquimedes: da mesma forma que um petroleiro gigante de 500 000 toneladas flutua sobre o oceano, por a suam massa estar distribuída numa nuvem enorme. Se as gotinhas chegarem a crescer demasiado, tornar-se-iam pesadas e cairiam sob a forma de chuva."

É por estas e por outras que amo os livros. Ponto final.

2 comentários:

Silvia Mota Lopes disse...

:) esta nuvem que eu capturei agora é tão pequenina tão pequenina que cabe no bolso do meu pijama...vou dormir com ela para não ter pesadelos e apenas sonhar. Ela quer contar-me um segredo...que não posso desvendar...mas a ti que és meu amigo e em ti posso confiar vou partilhar o segredo porque tu sabes amar:) beijinhos estava inspirada:)

Mammy disse...

Adorei este desenho!
Bjs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...