quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Uma breve iniciação ao Coração

O coração.
Simplesmente um músculo, um "motor", dizem-nos os médicos... e ainda por cima ecológico, pois move-se a energia eléctrica.
O centro das emoções, dizem-nos os românticos, os "pirosos" e os sofredores por amor.
A localização física do 4º Chacra ou Anahata, cuja energia é emocional e representa a nossa capacidade de entrega, dizem-nos os místicos e os Homens-sábios.

No Egipto antigo, representava o órgão da consciência, e o seu peso comparado com o peso de uma pena - no momento do julgamento após a morte - media a real dimensão dos actos, bons ou maus, cometidos em vida.
Para a cultura indiana, o coração era a sede do absoluto. Para os católicos, em chamas, representa o amor divino.

Mas afinal, que é o coração?
Tem a dimensão de um punho, não do meu punho que tenho as mãos pequenas, e o meu coração é grande... eu sei disso, e ponto final! Bate cerca de 100.000 vezes por dia, e numa criança de um ano já bateu 30 milhões de vezes.
Ás vezes, porém, estas dimensões varia bruscamente. Pode ficar tão pequeno como a mais pequena das nozes, ou, em caso mesmos graves, uma simples e humilde azeitona. Nesse momento, o seu ritmo é quase inaudível, imperceptível, ninguém dará por ele. O infeliz que sofre do "Síndrome do Coração-pequeno" mirra, seca, torna-se numa armadura emocional, fecha-se num mundo só seu e aos outros. Pior, fecha-se a ele mesmo. Torna-se como que um buraco negro, que tudo atrai à sua volta e nada dá em troca.
Outras vezes o coração fica muito grande... tão grande! Como se tivesse sido insuflado por todos os ventos do mundo, provenientes de todos os pontos cardeais. Nessa alturas, deixa de estar contido dentro do seu embrulho natural, a caixa torácica, e expande-se, passando a conter o seu felizardo portador. Como um balão iluminado por dentro, o felizardo torna-se um Sol no centro do universo, uma estrela pulsante que tudo oferece sem pedir nada em troca. Com as emoções ao rubro, o abençoado paciente do "Síndrome do Coração-infinito" torna-se numa antena que sente cada emoção irradiada pelos seres que o rodeiam. Chora por um tudo-nada como se fosse um bebé, ri-se como um tolo, e o seu compasso cardíaco fica tão acelerado que o ouvido humano apenas consegue ouvir um longo som contínuo.
Pelo meio destes dois estado limites, ficam os estado intermédios, umas vezes normal, outras vezes assim-assim, outras tantas mais ou menos, outras nem por isso.
O coração tem também uma aplicação muito prática, a de barómetro de emoções. Para sabermos a nobreza de um sentimento que nos leve às lágrimas basta perceber se o aperto que se sente se localiza no coração ou na zona do pescoço. Apenas no primeiro caso se poderá afirmar sem qualquer sombra de dúvida que os sentimentos provêem directamente da alma e não do ego. Simples não é?
Por fim, quais são os cuidados a ter com o nosso coração. Na verdade não são precisos muitos, atendendo à sua importante função de nos manter vivos, e acima de tudo, de nos manter VIVOS.
Basta regá-lo todos os dias com quantidades infinitas de AMOR (de que falarei um dia neste blogue). Não existe qualquer perigo de sobredosagem. Não existe qualquer limite, mesmo depois de se notarem claras melhoras, e por fim, não existem quaisquer efeitos secundários.

Para informações complementares, e favor fechar-se num quarto à média-luz, colocar uma música que adore, e, sentado confortavelmente, ouvir o que o seu coração lhe está a dizer.

Por Paulo Galindro

6 comentários:

Patrícia disse...

Está lindo. de cortar a respiração!

Simples Maria disse...

Já nos conhecemos à alguns anos..não sei bem se 5 ou 6 mas isso tb não interessa..nunca fomos muito próximos...colegas de trabalho, houve até algumas situações menos felizes... de que não me orgulho, mas tudo na vida tem um sentido..se aconteceu..foi porque tinha que acontecer, ponto final...
Hoje sinto-me mais próxima de ti...não sei se por estarmos mesmos mais próximos (sala ao lado) mas sinto-o...admiro incondicionalmente a tua arte...sou fã!!! Gosto de te ouvir falar...falas de uma maneira especial..não sei tocas-me o coração (agora vais pensar que estou apaixonada!!! Estou mas é pelo meu marido!!!)...Penso que perdes muito tempo com as pequenas burocracias da vida ... que desperdiças esses momentos quando os devias gastar noutros muito mais importantes.....tu sabes quais..quem sou para tos dizer...
Tás dividido...andas em conflito contigo mesmo...encontra-te...
Sempre me disseram que eu era muito boa ouvinte..devo ter sido padre algures noutra vida..gosto de falar..gosto muito de falar..tenho o oposto lá em casa...mas às vezes tb é bom..se fossemos os dois tagarelas era impossível....
Mas não estou aqui para escrever sobre mim...
Mas para te dizer que há velhos e novos amigos...e tu para mim és um NOVO AMIGO..também estou em baixo tu sabes!!! Mas quem sabes se ao falarmos das nossa frustações encontramos um meio termo!!!
BJ
nota:Esqueci-me de te dizer que escreves lindamente!!!!

Patrícia disse...

Estou rendida a vocês!!!....DASSSS.....

Pintarriscos disse...

Obrigado Ausenda, pelas tuas palavras, e obrigado por conseguires lêr um post tão longo, que subverte as regras do universo bloguistico em termos de dimensão. Gosto muito de escrever, e esta é uma paixão cada vez mais intensa. Escrever um livro é ainda um sonho, mas talvez um pouco mais realizável.
Quanto às pequenas burocracias, de facto já há muito tempo que perco tempo com elas. Mas a vida está muito complicada, e neste momento é muito complicado para mim dedicar-me só a uma actividade, mesmo que seja a de ilustrador, a que mais adoro... complicado e perigoso. Mas enfim, sei que, mais tarde ou mais cedo, algo vai acontecer que me fará dar o salto.

PS: Já estás a escrever melhor!

Pintarriscos disse...

Obrigado Patrícia, sabes que gosto muito de escrever. Mas ainda falta muito para "Cortar a respiração". Ainda estou a aprender.

Por Paulo Galindro

ecila disse...

Uma das melhores ilustracoes que já vi sobre o amor... vou linkar :-)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...